publicidade

Notícias

15.07.2011

Saúde

Estatísticas mostram que homens se cuidam menos

No dia Nacional do Homem – 15 de julho – a Secretaria da Saúde alerta para os cuidados com a saúde masculina. Os homens estão mais propensos a doenças cardiovasculares relacionadas ao sedentarismo e ao tabagismo. Números do Ministério da Saúde mostram que, do total de mortes na faixa etária de 20 a 59 anos – população alvo da nova política -, 68% foram de homens. Ou seja, a cada três adultos que morrem no Brasil, dois são homens, aproximadamente. 

Além disso, números do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam que, embora a expectativa de vida dos homens tenha aumentado de 63,20 para 68,92 anos de 1991 para 2007, ela ainda se mantém 7,6 anos abaixo da média das mulheres. “Na maioria das vezes, os homens recorrem aos serviços de saúde só quando a doença está em estágio avançado”, destaca o superintendente de Atenção Primária à Saúde, Antonio Dercy Silveira Filho. 

Segundo levantamento feito com as sociedades médicas brasileiras, antropólogos, psicólogos, membros do Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Saúde e Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde, em que foram ouvidos 250 especialistas, os homens não frequentam os consultórios médicos por conta de três barreiras principais: cultural, institucional e médica. “Queremos inserir os homens nos serviços de saúde, ajudando-os assim a vencer os bloqueios e barreiras que possuem quanto a procurar auxílio para sua saúde”, explica o coordenador estadual de política de saúde do homem, Rubens Bendlin. 

De acordo com o Ministério da Saúde, para o ano de 2011, a política nacional de saúde do homem prevê o aumento de até 570% no valor repassado às unidades de saúde por procedimentos urológicos e de planejamento familiar, como vasectomia, e a ampliação em até 20% no número de ultrassonografias de próstata. Com estas iniciativas o governo federal quer que, pelo menos, 2,5 milhões de homens na faixa etária de 20 a 59 anos procurem o serviço de saúde ao menos uma vez por ano. 

De acordo com Bendlin, os homens têm dificuldade em reconhecer suas necessidades e cultivam o pensamento de que não adoecem. “Uma questão bastante apontada pelos homens para a não procura pelos serviços de atenção primária está ligada a sua posição de provedor. Eles alegam que o horário do funcionamento dos serviços de saúde coincide com a sua carga horária do trabalho”, reforça. 

Capacitação – Na segunda-feira (18), a divisão de Saúde do Homem, promove, em parceria com a 16ª Regional de Saúde de Apucarana, uma oficina para profissionais de saúde de 97 municípios da macrorregião norte. O evento desencadeia a 2ª Fase de implantação da PNAISH - Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem no Paraná, com foco de discussão nos cuidados com o coração (risco cardiovascular), ausência dos homens nos serviços de Saúde, violência de gênero e saúde do trabalhador.

Serviço - Oficina Macrorregional de Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem
Data: 18/07/2011
Hora: das 8h às 17h
Local: Congregação dos Oblatos de São José
Endereço: Rua Arthur Bernardes, 600 – Vila Feliz
Apucarana - PR

Fonte: http://www.sesa.pr.gov.br

Voltar

publicidade

Publicidade
Fundação Exclusiva
Rua Carlos Razera, 286
Cep 80810-310 - Vista Alegre - Curitiba - PR
Fone/fax: 41 3029.2121
Hospedado por